04/12/2020

Interfarma

Interfarma promove webinar e discute queda na cobertura vacinal de crianças e adolescentes no Brasil

No último dia 2, aconteceu o primeiro webinar realizado pela Interfarma em parceria com a Frente Parlamentar do Programa Nacional de Imunizações. Os  representantes do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde (CGPNI/SVS/MS), Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS), da Confederação Nacional de Municípios (CNM) e do Conselho Nacional de Secretárias Municipais de Saúde (CONASEMS) alertaram para a queda da cobertura vacinal e a possível volta de algumas doenças já controladas.

Ao abrir o evento, a presidente da Interfarma, Elizabeth de Carvalhaes, destacou a parceria entre a Associação e a Frente Parlamentar do Programa Nacional de Imunizações para promover uma discussão ampla sobre a cobertura vacinal. “A discussão sobre a queda da cobertura de vacinas tem sido intensa entre a Frente Parlamentar, representada pelo deputado Pedro Westphalen, e a Interfarma. A pandemia da Covid-19, além dos efeitos desastrosos por si só, também atuou para reduzir ainda mais a vacinação de crianças e adolescentes, dado o receio de ir ao posto de saúde. Entendemos como necessária uma parceria que proponha soluções e diminua a não vacinação da população”, afirmou Elizabeth.

Os dados do Ministério da Saúde apontam que a cobertura vacinal não atinge nenhuma meta no calendário infantil desde 2018 e está em queda há cinco anos. Esse quadro preocupa porque temos visto surtos de doenças que já estavam controladas voltando, como é o caso do sarampo. “Nós vamos ter que aprender com a pandemia, mas não podemos deixar de lançar mão desse instrumento extremamente importante que é a vacina. Até chegar a vacina do Coronavírus, nós temos que continuar, uma vez que temos aqui no Brasil o SUS e essa pandemia nos oportunizou desnudar o Brasil de Norte a Sul, ver as diferenças sociais que existem, ver a importância cada vez maior do SUS”, salientou o deputado federal Pedro Westphalen.

A representante do Programa Nacional de Imunizações, Antônia Teixeira, iniciou sua apresentação trazendo informações detalhadas sobre a vacinação no Brasil. “Até 2010/2012, a cobertura vacinal de alguns imunizantes, como a BCG, se manteve elevada, inclusive acima da meta de cobertura estabelecida. A partir desse período, houve um crescimento no número de vacinas disponíveis. Mas começamos a ter queda nas coberturas vacinais a partir de 2016. Nenhuma das vacinas em 2019 atingiu a meta adequada de cobertura”, afirmou a técnica do Ministério da Saúde.

Motivos da queda

Para os participantes, o horário de funcionamento dos postos de saúde, que coincide com a jornada de trabalho da população, e a falta de conhecimento sobre as vacinas são questões que precisam ser enfrentadas para que a cobertura vacinal volte a crescer. “Temos sistemas de informação com problemas, como a falta de conectividade e a transmissão de dados, em várias localidades do país. Isso em parte está sendo resolvido pelo programa Previne Brasil e pelo Conecte SUS, que está sendo ofertado conectividade pelo Ministério da Saúde para as unidades básicas de saúde. Uma mãe que saiu do trabalho, pegou um ônibus e um metrô e chega ao posto às 16h30 para vacinar o filho. A unidade tem um frasco com dez doses. Ela vacina essa criança e perde as nove doses ou pede para ela voltar no dia seguinte?”, colocou o secretário-executivo do Conselho Nacional de Secretários Municipais de Saúde (Conasems), Mauro Junqueira.

Outro ponto importante discutido durante o webinar foi o crescimento dos grupos anti-vacina e das notícias falsas sobre o tema. “A gente precisa melhorar a comunicação com a sociedade, envolver outros segmentos nesse processo, precisamos monitorar o que está saindo nas redes sociais, divulgar mídia positiva; tentar fazer uma publicidade mais dirigida, mais crítica; fazer uma articulação com as escolas, creches, empresas no território para uma vacinação programada”, apontou o Nereu Mansano, assessor técnico do Conselho Nacional de Secretários estaduais de Saúde (Conass).

Carla Albert, assessora em Gestão da Saúde da Confederação Nacional de Municípios (CNM), mostrou dados de uma pesquisa da Confederação feito com 312 municípios que elencou alguns dos problemas que podem explicar a baixa cobertura vacinal nessas localidades. Entre eles, está a falta de conhecimento da população sobre a importância das vacinas. “Nos perguntamos como estava sendo trabalhada a comunicação em saúde, como ela está relacionada com as estratégias para informar a população e a questão de educação em saúde de maneira contínua. A imagem objeto da estratégia dos municípios é o uso de um painel para informar a população sobre as vacinas. A queda na cobertura vacinal mostra que essa comunicação não está acontecendo e que precisa ser revista para revertermos os resultados ruins dos últimos anos”, afirmou a representante da CNM.

Próximo webinar

Na quarta-feira, dia 9 dezembro, às 19 horas, acontecerá o segundo webinar sobre vacinas promovidos pela Interfarma e pela Frente Parlamentar do Programa Nacional de Imunizações. Dessa vez, a vacinação de adultos, idosos e grupos especiais será o tema da discussão.

O webinar contará com a participação da presidente da Comissão de Imunização da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG), Dra. Maisa Kairalla, da vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), Dra. Isabella Ballalai, e da diretora da Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI), Dra. Lessandra Michellin.

Para se inscrever, clique aqui.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
MSD
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Recordati Rare Diseases
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
TRB Pharma
Teva
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon