11/05/2020

Setor

O desafio é encontrar um fármaco que funcione, e seja seguro

O Estado de S.Paulo

Para o físico Antonio José Roque, diretor-geral do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) de Campinas, ligado ao Ministério da Ciência e Tecnologia, o grande desafio na pesquisa pela cura da covid-19 é encontrar um fármaco que funcione contra o coronavírus, mas que seja seguro para o paciente.

Segundo ele, o CNPEM não trabalha com a produção de vacinas.

O trabalho de uma centena de cientistas da instituição se concentra na identificação de medicamentos, entre os já existentes, que ofereçam a maior possibilidade de enfrentamento da doença. Para isso, segundo o diretor do órgão, os cientistas vão usar análises de dados fornecidos ao moderno sistema de computadores conhecido como Sírius, um projeto de quase R$ 2 bilhões, iniciado em 2012. Ao todo, estão sendo analisados cerca de 2 mil remédios com potencial para combater o Sars-CoV-2.

Somente uma vacina desenvolvida rapidamente poderá evitar que milhões de pessoas morram e permitir que a economia volte a funcionar. A avaliação é do médico Edecio Cunha Neto, professor da USP que faz parte da equipe da pesquisa do Incor.

O estudo já foi iniciado com o primeiro grupo de cem doadores de sangue voluntários.

De acordo com o médico, há hoje cerca de 170 grupos de cientistas no mundo trabalhando em uma vacina para a covid-19.

O grupo de cientistas do Incor, em conjunto com o Instituto de Ciências Biomédicas da USP e a Escola Paulista de Medicina (Unifesp), tem a coordenação de Jorge Kalil e opera para detectar anticorpos e linfócitos T de células de defesa do organismo de pacientes que tiveram a doença para, com esse material de doadores, descobrir quais partes do vírus podem ser atacadas pela vacina, com segurança, para evitar a invasão celular e replicação do vírus (mais informações nesta página).

A questão da imunização, de acordo com os cientistas, é que o grupo que sair na frente com uma vacina terá de apresentar um produto de qualidade, ou seja, com a capacidade de imunizar por longo prazo e com segurança.

O time que conseguir resultado positivo primeiro, argumentam os cientistas, vai abastecer seus doentes, depois os infectados dos parceiros de seus países de origem para, depois, permitir a exportação do produto.

Essa operação significa que, se o Brasil ficar dependente de descobertas estrangeiras, pode ficar por longo período sem acesso à vacina. Por isso, raciocinam os pesquisadores nacionais, é preciso desenvolver aqui uma tecnologia.

Há ainda um ponto pouco destacado: é pouco provável que a primeira ou segunda vacina seja altamente eficaz. O desenvolvimento de imunizantes é imprevisível até o fim. “Temos então essas que já estão sendo testadas em humanos e sairão mais rápido, mas não se pode garantir que alguma dessas vai funcionar”, diz o médico. No caso da vacina do HIV, de todas as que foram testadas até agora, nenhuma funcionou.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon