08/05/2020

Setor

Coronavírus aponta que setor farmacêutico precisa reduzir dependência de insumo importado

Folha Online

Dante Alário Júnior - Presidente do Conselho de Administração do Grupo FarmaBrasil (GFB)

Reginaldo Arcuri - Presidente-executivo do GFB 

A contaminação de mais de 3,5 milhões de pessoas, a morte de mais de 250 mil infectados e a paralisação da atividade econômica em dezenas de países, com o brutal aumento do desemprego, são os impactos mais evidentes da pandemia provocada pelo novo coronavírus.

Com os esforços do setor privado, em parceria com o setor público, algumas alternativas terapêuticas foram estabelecidas, mas ainda não foram descobertos um remédio ou uma vacina eficaz contra a Covid-19. Enquanto as pesquisas prosseguem, é importante começarmos a pensar no que pode ser feito preventivamente para nos prepararmos para novas epidemias.

Se no momento o foco deve ser a adoção de medidas para controlar o contágio e tratar as pessoas infectadas, passo importante para reduzir novos casos e permitir que as pessoas e empresas possam retomar gradualmente suas atividades, o planejamento de médio e longo prazo não pode ser ignorado. Na guerra contra o novo coronavírus e outros que provavelmente ainda vão surgir, é preciso definir o mais rápido possível uma estratégia de segurança e defesa nacional.

Uma estratégia na qual as tecnologias mais avançadas na área farmacêutica estejam também sob domínio nacional, com produtos necessários para enfrentar nossas doenças e epidemias não controladas ou que infelizmente têm retornado (dengue, malária, sífilis, tuberculose), bem como as mais avançadas tecnologias necessárias para atender a uma população cada vez mais idosa e demandando medicamentos mais sofisticados.

Além da falta de respiradores pulmonares e equipamentos de proteção individual, como máscaras e luvas, a pandemia deixou evidente a forte dependência externa do Brasil para os Insumos Farmacêuticos Ativos (IFAs), usados na produção de medicamentos.

Atualmente, o Brasil importa entre 80% e 90% dos IFAs consumidos pelos laboratórios farmacêuticos instalados no país. Desse total, cerca de 60% vêm da China, seguida pela Índia, Alemanha e Suíça. Mas essa não é uma realidade apenas brasileira. Maior economia do mundo, os Estados Unidos importam 72% dos IFAs que precisam.

Num contexto em que as relações internacionais são pautadas por um complexo jogo de interesses e normas que estimulam ou limitam a capacidade de atuação dos países, o desenvolvimento da indústria nacional de defesa, orientada para a obtenção da autonomia em tecnologias indispensáveis, deve ir além das questões relacionadas diretamente à área militar.

Na área farmacêutica é preciso avançar na pesquisa e inovação de novos produtos, aproveitando a biodiversidade brasileira, aproximar mais das áreas universitárias de pesquisa aplicada e ampliar a produção de IFAs, reduzindo a dependência externa. E, com isso, consolidar a produção dos medicamentos biotecnológicos cuja produção no Brasil já foi iniciada pelas indústrias do Grupo FarmaBrasil (GFB).

A pandemia da Covid-19, que teve grande impacto na produção da China e Índia, que provocou restrições nas exportações dos ingredientes, atraso nas entregas e alta de preços devido à maior demanda internacional, levou a indústria farmacêutica nacional a refazer suas linhas de suprimentos e repensar suas estratégias para os próximos anos.

Hoje, a indústria farmacêutica nacional investe em média 8% da sua receita líquida anual em P&D, o que já gerou 94 estudos clínicos e mais de 880 patentes em análise ou concedidas. Além disso, tem uma forte presença internacional, ampliando a área de atuação da indústria brasileira no mercado exterior.

Apesar disso, o Brasil continua a importar, de maneira crescente, medicamentos de todos os tipos, principalmente aqueles de maior valor agregado. Em 2019, a balança comercial do setor foi deficitária em US$ 6,091 bilhões, resultado principalmente da importação de US$ 7,065 bilhões —30% apenas de medicamentos biotecnológicos, que representam um dos principais custos do governo na compra de remédios.

Mas a indústria farmacêutica nacional, que se mostrou competitiva nos últimos 20 anos, mesmo diante de um cenário econômico desfavorável, pode contribuir para reduzir essa dependência, ofertando produtos de alta tecnologia, além dos genéricos e similares.

A indústria farmacêutica nacional já tem direcionado a produção para esses medicamentos biotecnológicos extremamente relevantes para o Sistema Único de Saúde (SUS). Esses produtos são destinados ao tratamento de diversas doenças como artrite reumatoide, espondilite anquilosante, artrite psoriásica e psoríase, vários tipos de câncer e esclerose múltipla.

Frente ao cenário atual, sediar uma produção local desses medicamentos provavelmente será ainda mais estratégica diante das consequências (de saúde pública e econômicas) da pandemia da Covid-19.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon