11/05/2020

Setor

É preciso preparar a base industrial para o SUS

O Globo

Empresas químicas e farmacêuticas começaram a debater alternativas de produção local de insumos, produtos e equipamentos essenciais ao setor de saúde, para reduzir a alta dependência de fornecedores externos, sobretudo da China e da Índia, que concentram 90% do mercado global.

Tem sido grande a mobilização pública e privada para assegurar insumos e equipamentos essenciais ao Sistema Único de Saúde nessa crise provocada pela pandemia. O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta apelou a empresas privadas (Vale, Lojas Americanas, Bradesco, Itaú e Santander, entre outros) para mapear fornecedores. Já chegaram as primeiras cargas de máscaras, luvas, insumos químico-farmacêuticos, respiradores e outros equipamentos médico-hospitalares comprados na China e na Índia.

Quando ultrapassada a emergência, será necessária uma revisão da estrutura produtiva brasileira nessa área. Como mostrou O GLOBO, empresas como EMS, Braskem, Guararapes e outras dos segmentos de higiene, perfumaria e cosméticos já planejam a substituição de importações, das quais dependem, e a diversificação da produção. É oportunidade de negócios num país cuja vulnerabilidade está expressa no aumento do déficit setorial da saúde. Há duas décadas era de US$ 3 bilhões. Saltou para cerca de US$ 20 bilhões. Importar, preferencialmente, foi uma decisão política baseada no critério de custo-benefício em relação à produção local. Está visível que levou-se ao extremo a dependência externa.

Na pandemia, governos passaram a considerar produtos de saúde como estratégicos à segurança nacional. Os Estados Unidos, por exemplo, decidiram que a produção da 3M de máscaras do tipo N95 deve ser integralmente reservada para consumo dos cidadãos americanos. Nas palavras do secretário de Estado, Mike Pompeo, países como o Brasil poderão “contar com nosso apoio para conseguir itens importantes no combate ao coronavírus, mas terão de esperar que a situação melhore no território americano antes.” Sem um plano preventivo de reconversão industrial, o governo tenta estimular uma produção doméstica de 15 mil respiradores para entrega em 90 dias. A experiência pode ser didática: será preciso estabelecer uma base industrial de saúde que possa ser ampliada rapidamente —esta é a segunda pandemia em uma década, considerando-se a da gripe H1N1, em 2009.

O debate é relevante, mas a intervenção estatal merece ressalvas. Uma elas é a necessidade de se evitar a repetição do clássico erro das reservas de mercado. Não faria sentido, por exemplo, privilegiar empresas públicas ou privadas com quaisquer incentivos, sem mecanismos de cobrança de eficiência e produtividade, além de real capacidade de competição no mercado mundial.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon