16/04/2020

Setor

Covid-19 ocupa mais de 70% de UTIs públicas de São Paulo, segundo jornal

Folha de S.Paulo

Seis grandes hospitais públicos de São Paulo, dos quais cinco na capital, estão com a taxa de ocupação dos leitos de UTI em mais de 70%, o que mostra a pressão causada pela Covid-19 no sistema.

Até ontem, o estado tinha 11.043 casos e 778 mortes —altas de 18% e 12% sobre o dia anterior.

são paulo Seis grandes hospitais públicos, cinco na capital e um na Grande São Paulo, têm taxa de ocupação dos leitos de mais de 70%; quatro chegam a cerca de 80%.

Os números mostram a pressão exercida pela Covid-19 no sistema público de saúde, afirmou em entrevista à imprensa nesta quarta (15) o infectologista David Uip, coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus.

Todos os 30 leitos de UTI do Instituto Emílio Ribas estão ocupados. A taxa na enfermaria é de 83% de ocupação. O Hospital Geral de Vila Nova Cachoeirinha tem 86% dos leitos ocupados na enfermaria e na UTI.

Os demais observados foram o Hospital Geral de Pedreira

(71% na enfermaria e 87% UTI), Hospital Regional de Ferraz de Vasconcelos (71% na enfermaria e 67% de UTI) e Hospital São Paulo (73% na enfermaria e 62% de UTI).

O Instituto Central do Hospital das Clínicas foi destinado exclusivamente ao tratamento da doença. Até as 13h desta quarta (15), 73% dos leitos de enfermaria e 83% da UTI estavam ocupados.

Estão sendo disponibilizados 900 leitos para São Paulo.

Segundo o secretário estadual da Saúde, José Henrique Germann, os cálculos para criação de leitos foram feitos antes de a Covid-19 chegar ao país, o que se deu em fevereiro.

Por isso, o modelo era a China, onde a doença surgiu, mas que teve uma curva de contágio e morte mais controlada, por exemplo, que a dos países europeus, atingidos depois.

“Consideramos um tempo de permanência de 15 dias e, em função disso, a necessidade de leitos para quatro ou cinco meses da epidemia.”

“Estamos ao fim do segundo mês”, observou Germann, dizendo que foram planejadas duas reservas. “São 2.000 e poucos leitos de cada um, mas os da segunda reserva estamos aprontando e só entrarão se necessário, de acordo com o pico da doença.”

Caso a doença se estenda, será necessário pensar em leitos para julho, diz o secretário.

“Quando o indivíduo vai para o ambiente de terapia intensiva, fica em média 14 dias, quando caminha para a cura. Infelizmente, quando não evolui bem o tempo é maior, o que implica um resultado óbvio de permanência por mais tempo que o habitual de doente grave em UTI”, afirmou Uip.

Pelo segundo dia consecutivo, o estado de São Paulo apresentou pico de internações de confirmados para Covid-19, com mais de 2.300 pacientes assistidos em hospitais. Deles, 1.132 estão em leitos de UTI e 1.200 em enfermarias.

O estado de São Paulo tem hoje 11.043 casos de Covid-19 com 778 mortes —aumento de 18% no número de confirmações e de 12% no de mortes em relação ao dia anterior. Dos mortos, 463 são homens e 315, mulheres.

Na capital, foram confirmados 7.764 casos de Covid-19, com 558 óbitos. São Paulo tem 199 municípios com confirmações e 78 com registro de mortes, espalhados pelo estado.

Uip reiterou a necessidade do distanciamento social para achatar a curva de crescimento da doença e distribuir os casos ao longo dos próximos meses, uma vez que já pode ser verificado um avanço da contaminação para o interior e o litoral. Além disso, afirmou que podem faltar insumos, estrutura física e equipe multidisciplinar.

Pelo segundo dia consecutivo, a taxa de isolamento social ficou em 50%, considerada abaixo do ideal.

“Vejo de vez em quando em notícias que vocês não conseguem prever o pico com exatidão. Isso é boa notícia. Significa que estamos conseguindo alargar e achatar a curva. Quanto mais diluída essa curva for, melhor para o sistema de saúde. Agora, no pico, estaremos diante de uma montanha ou do Everest”, disse Uip.

No início de maio, deve ser entregue o hospital de campanha do Ibirapuera, que está sendo construído na pista de atletismo do complexo esportivo. Segundo Germann, 80% das obras estão concluídas.

A expectativa é que os 240 leitos de baixa complexidade e os 28 de estabilização entrem em operação no dia 1º de maio. No local, 800 profissionais de saúde darão atendimento à população.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon