17/11/2019

Setor

Lauro Jardim: Puxa, prende, solta

O Globo | Jornalista: Lauro Jardim

A 40 dias do término do seu mandato de presidente da Anvisa, William Dib tem uma certeza: antes de deixar a agência, vai botar em votação os processos sobre uso medicinal da maconha —um, autoriza o cultivo industrial; outro, a venda de remédios derivados da cannabis. A tramitação de ambos está parada desde outubro, quando dois diretores pediram vista dos processos. Caso não os devolvam em breve, Dib vai pautá-los, botando-os goela abaixo de quem trabalha pelo adiamento da votação “ad aetemum”.

... e passa

Dib é declaradamente favorável tanto ao cultivo da cannabis quanto à venda de medicamentos produzidos a partir da planta da maconha. Intramuros, aposta-se que, além do presidente, os diretores Alessandra Bastos e Renato Porto votem pela aprovação dos dois processos. A dupla que pediu vista —Fernando Garcia Neto e o almirante Antônio Barra Torres, ligadíssimo a Jair Bolsonaro —devem votar contra em ambos. O fiel da balança, então, será Renato Porto. A tendência é que ele se posicione a favor da comercialização dos remédio. Em relação ao cultivo, ninguém arrisca adiantar um palpite sobre o que Porto fará.

O presidente

Bolsonaro já bateu o martelo: o almirante Barra Torres será o próximo presidente da Anvisa.


Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon