12/11/2019

Setor

Brasileiro prioriza preço na compra de medicamentos, diz pesquisa

Destak Jornal 

Economizar parece ser palavra de ordem para o brasileiro. E não apenas em supermercados e lojas. A Pesquisa de Comportamento do Cliente na Farmácia 2019, que entrevistou 4 mil pessoas em todo o país, revela que 64,95% acreditam comprar remédios em farmácias que praticam preços mais baixos que os concorrentes.

Mas o levantamento, realizado pelo Instituto Febrafar de Pesquisa e Educação Continuada (IFEPEC) em parceria com o Instituto de Economia da Unicamp, também revelou outro dado interessante: 88,43% dos entrevistados admitiram que não pesquisaram preço antes da compra.

"Embora os clientes apontem o preço baixo como principal fator da escolha da farmácia, a pesquisa demonstrou que os mesmos não fazem comparação de preços a cada compra e que comparações realizadas no passado e a percepção é o que o leva o cliente a concluir que uma loja pratica preços competitivos", aponta Edison Tamascia, presidente da Febrafar.

De acordo com a pesquisa, apenas 2,88% dos entrevistados afirmaram comparar preços antes da compra. A aposentada Jussara Siqueira Lopes, 69 anos, se enquadra minoria. Enfrentando problemas circulatórios e cardíacos, ela precisa tomar sete medicamentos diferentes.

"Eu gasto R$ 200 por mês com remédios. Se não pesquisasse, o preço poderia dobrar. É importante comparar, porque dinheiro nunca sobra", ensina.

Genéricos

Ainda que não faça pesquisa, o brasileiro observa o valor do produto. O preço motivou 54,38% das trocas (por de outras marcas ou por genéricos) dentro da farmácia. A falta do medicamento vem em segundo lugar, com 41,95%. Nesta questão, a pesquisa indica a força do genérico no mercado: 75,45% dos clientes o preferiram ao produto de marca.

Outros fatores

Ao serem questionados sobre quais os critérios de escolha de uma farmácia, além do preço, os entrevistados ainda valorizaram localização (24,5%), estoque (6,25%), facilidade de estacionar (1,58%), possuir atendimento da Farmácia Popular (1,35%) e bom atendimento (0,88%).

"Por meio desse questionamento observamos que o brasileiro está muito mais preocupando com o bolso, mesmo em produtos básicos como medicamentos. Contudo, não é o dinheiro que fará com que ele deixe de consumir", analisa Tamascia.

A pesquisa também apontou que a maioria das pessoas que entrou nas farmácias, adquiriu aquilo que foi procurar ou pelo menos parcialmente. Apenas 3,13% não comprou o que pretendia, frente a 80,68% que comprou tudo que necessitava e outros 16,20% que fez aquisição parcial.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon