06/11/2019

Setor

Unificação de gastos para saúde e educação divide governos estaduais

Valor Econômico

Jornalista: Marta Watanabe, Cristiane Agostine e Rodrigo Carro

A unificação das destinações mínimas às áreas de saúde e educação divide os Estados. Os governos de São Paulo, Rio de Janeiro e Alagoas avaliam que a medida trará maior flexibilidade aos Estados para a gestão de recursos. O Ceará, porém, considera a medida um “retrocesso”.

Entre as propostas do Plano Mais Brasil divulgado ontem, está a unificação dos pisos de 25% da receita tributária em educação e de 12% para saúde, no caso dos Estados. Os pisos não devem ser alterados, mas unificados para 37% da receita, com livre destinação entre as duas áreas, desde que cumprido esse mínimo conjunto.

Para Santoro, a medida trará maior flexibilização para gestão dos recursos. Embora não traga impacto imediato porque boa parte da despesa é com pessoal, haverá diferença para os Estados no longo prazo, segundo ele.

O secretário conta que o governo estadual tem investido em reformas de escolas em torno de R$ 100 milhões no biênio 2019/2020. Caso a destinação obrigatória para educação fosse flexibilizada com a unificação de mínimos, avalia, é possível que os recursos hoje aplicados em educação tivessem em parte sido deslocados para a saúde, área na qual há grande demanda por serviços públicos em razão do processo de envelhecimento da população.

Henrique Meirelles, secretário de Fazenda do Estado de São Paulo, diz que é muito prematuro dizer sobre deslocamentos de recursos de uma área para outra. Caso a unificação dos mínimos seja aprovada, diz ele, essa é uma questão que deverá ser discutida nos próximos anos. Mas a flexibilização que a medida traz, diz ele, é positiva. O pacote anunciado como um todo ontem deve ajudar os Estados em situação mais crítica na contenção de despesas e na aplicação de ajustes, avalia.

No Rio de Janeiro, o secretário de Fazenda, Luiz Claudio Rodrigues de Carvalho, diz que a unificação dos limites beneficiaria o Estado. Desde o início da década, lembra ele, o Estado não cumpre a destinação obrigatória de 12% das receitas para a saúde e de 25% para a educação. “O principal ponto a ser discutido é a qualidade do gasto. Quando você tem de fazer uma despesa para cumprir o percentual obrigatório, nem sempre a qualidade do gasto vem acompanhada do cumprimento do percentual”, destaca o secretário. “Num ano você pode precisar investir mais em educação. Em outro, pode ser necessário gastar mais em saúde.”

O secretário do Rio defende ainda uma mudança no cálculo do mínimo. “Os índices deveriam ser calculados em relação à receita do ano anterior.” Dessa forma, a meta de gastos com educação e saúde seria um número fixo, e não um percentual sobre a receita, que pode variar de forma imprevisível.

Ex-secretária de Fazenda de Goiás, Ana Carla Abrão, sócia da Oliver Wyman, também afirma que a existência de mínimos não garante destinação eficiente nem serviços de qualidade. Ela diz que muitas vezes os governos desperdiçam recursos ao fim do ano, quando estabelecem gastos com saúde e educação só para cumprir os mínimos, já que há controle do Ministério Público e dos tribunais de conta nesse sentido.

Nem todos os Estados são favoráveis à unificação dos mínimos. O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), classificou ontem como um “retrocesso” a proposta de reunir os mínimos e também a de incluir os inativos na contabilização das despesas com saúde e educação. A medida da inclusão dos inativos, porém, foi retirada do pacote. “Sou contra qualquer mudança. Foi uma conquista da sociedade brasileira. É importante ter um investimento mínimo determinado por lei para Estados e municípios. Precisamos de mais investimentos em educação”, afirmou Santana depois de participar do Fórum Lide de Educação, em São Paulo.

O prefeito de Sobral (CE), Ivo Gomes, também reclamou da proposta. No caso das prefeituras, a unificação de mínimas corresponderia a 40% da receita tributária, sendo 25% na educação e 15% para saúde. “Não dá”, disse, afirmando que o atual percentual já é insuficiente. “Nem o que tem hoje dá. Eu desafio um município que gaste 15% em saúde. Todos gastam muito mais.”

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon