07/10/2019

Setor

Consulta com farmacêutico cresce no Brasil e pode desafogar serviços de saúde superlotados

Panorama Farmacêutico

A Associação Brasileira de Rede de Farmácias e Drogarias, Abrafarma, divulgou que no primeiro semestre de 2019 foram realizadas 862.623 consultas farmacêuticas no país, um aumento de 62% em relação ao ano anterior. Ao todo, 7,8 mil farmacêuticos atuam nesse tipo de atendimento. Dos 2.964 espaços dentro das farmácias, 1.029 estão em São Paulo.

Segundo a entidade, os consultórios farmacêuticos estão se consolidando em todo o país.

Normalmente, as consultas ocorrem em uma sala dentro da farmácia em que o paciente é atendido por um farmacêutico e tem privacidade para tirar dúvidas, relatar problemas com o uso de medicamentos, além de ser uma oportunidade de o farmacêutico avaliar os medicamentos que o paciente está tomando, verificar possíveis interações, efeitos colaterais, realizar serviços clínicos como aferição de pressão arterial e glicemia e orientá-lo sobre os procedimentos a serem adotados. O Farmacêutico também pode prescrever medicamentos isentos de prescrição médica ou entrar em contato com o médico ou encaminhar para outro serviço de saúde, se necessário.

Apesar do conhecimento sobre a ação dos medicamentos, as possibilidades do farmacêutico são limitadas pela pressão de entidades médicas. A ampliação desse tipo de consultório e abrangência legal, inclusive com mudanças no currículo das faculdades de Farmácia, podem diminuir as filas em serviços de saúde e facilitar o acesso à saúde pela população. O Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo considera que os consultórios farmacêuticos contribuem para orientar o paciente e que isso melhora a adesão ao tratamento.

Como funciona o consultório atualmente?

O farmacêutico faz um cadastro com os dados, realiza a anamnese farmacêutica (um tipo de entrevista para conhecer o histórico de saúde do paciente e quais os medicamentos ele utiliza continuamente ou esporadicamente), presta serviços como aferição de pressão arterial, temperatura, glicemia capilar (diabetes) e, se necessário, encaminha a outro profissional de saúde. O serviço é documentado e o farmacêutico se responsabiliza por cada procedimento realizado não apenas na farmácia, mas dentro do consultório.

O consultório farmacêutico não faz diagnóstico de doenças, mas acompanha o paciente no controle das enfermidades crônicas já diagnosticadas para estimular a adesão ao tratamento e maximizar os resultados. Muitas vezes, a falta de adesão ocorre porque os medicamentos indicados provocam reações adversas, o que leva o paciente a interromper o tratamento.

Nesses casos, o farmacêutico verifica se o medicamento está sendo utilizado de forma adequada e, se necessário, entra em contato com o médico ou outro profissional prescritor para relatar o problema e até sugerir a substituição do medicamento. O consultório reaproxima o paciente do farmacêutico e resgata a relação que existia antigamente quando muitos tinham um farmacêutico de confiança no bairro.

Um exemplo é em relação aos pacientes idosos, que comumente utilizam mais de quatro medicamentos, a chamada polifarmácia. Muitos tomam fora de horário, de dose e sofrem com as reações adversas, dificuldades que podem ser solucionadas no consultório farmacêutico.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon