01/10/2019

Setor

País promete esforço na defesa de propriedade intelectual

Valor Econômico

O governo brasileiro apoiou ontem “esforços” pelo fortalecimento do sistema de propriedade intelectual, durante a assembleia anual da Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI), em Genebra.

Diante de centenas de representantes dos outros 191 países-membros, o embaixador brasileiro Alexandre Parola destacou que o país “vem trabalhando para reconquistar a confiança do mundo”, procurando diminuir desemprego, violência e risco para os negócios, por meio de desburocratização, desregulamentação e “em especial pelo exemplo”.

O representante brasileiro disse aos parceiros que o país vive momento de abertura e econômica e de integração às cadeias globais de valor. Destacou acordos comerciais negociados e a disposição do país de iniciar o ingresso na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), “alinhando suas práticas nos mais diferentes terrenos aos padrões mais elevados mundialmente”.

A mensagem do governo foi de que a promoção e a proteção dos direitos de propriedade intelectual são parte importante dessa estratégia. E que o Brasil está empenhado em aumentar o engajamento com o regime internacional de propriedade intelectual e oferecer a inventores, empresários e usuários globalmente os benefícios dos principais acordos administrados pela OMPI.

Recentemente o Brasil aderiu ao Protocolo de Madri, sobre registro internacional de marcas, após anos de brigas entre diferentes influências em Brasília. O protocolo entrará em vigor na assembleia da OMPI, que terminará no dia 9. A expectativa é que o tratado reduza custos e simplifique procedimentos, facilitando o registro de marcas brasileiras e estrangeiras em mercados que representam mais de 80% do comércio mundial.

O governo examina o Tratado de Budapeste, sobre o reconhecimento internacional do depósito de microrganismos para efeitos do procedimento em matéria de patentes. Também iniciou avaliação interna do Acordo de Haia, sobre registro internacional de desenhos e modelos industriais, e de outros acordos na área de direitos de autor, como os chamados Acordos de Internet - WIPO Copyright Treaty e WIPO Performances and Phonograms Treaty.

O governo disse estar combatendo contrafação, contrabando e pirataria. Exemplificou com recente de carta de entendimento com a OMPI relativa ao projeto Building Respect for IP, em que o país se compromete a encaminhar, regularmente, listas de sites que armazenem e disponibilizem conteúdo pirata, para evitar que estes possam financiar-se com recursos de publicidade.

O Brasil sinaliza com “contribuição construtiva” também para discussões consideradas fundamentais para o futuro da propriedade intelectual, como as de recursos genéticos e conhecimentos tradicionais e as relativas à inteligência artificial.

Em governos anteriores, o Brasil chegou a quebrar patente de remédio. Em 2013, o país foi apresentado como exemplo de como o “uso célere e eficaz” da licença compulsória, ou quebra de patente, podia ser útil para negociar preços mais baixos de medicamentos com a indústria farmacêutica, num o estudo de três organizações internacionais, a Organização Mundial do Comércio (OMC), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Mundial de Propriedade Intelectual (OMPI).

Recentemente, segundo a Agência Brasil, o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que o país jamais deveria quebrar patentes de medicamentos, porque isso prejudica a inovação. Ao mesmo tempo, defendeu maior transparência no cálculo dos preços cobrados por remédios.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon