04/07/2019

Interfarma / Setor

INTERFARMA lança estudo sobre pesquisa clínica

INTERFARMA

Com o objetivo de traçar um panorama da pesquisa clínica no Brasil, a INTERFARMA (Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa) encomendou um amplo estudo à Consultoria IQVIA, especializada no setor, para investigar entraves e potenciais de crescimento na área. 

O resultado deste trabalho, intitulado “A Importância da Pesquisa Clínica para o Brasil”, foi lançado na Sessão Solene de Abertura do Seminário INTERFARMA, em Brasília, na última quinta-feira, dia 04, e entregue ao Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. 

Também estiveram no evento a Senadora Mara Gabrilli, convidados internacionais, lideranças de agências reguladoras e especialistas no setor farmacêutico.

“A pesquisa clínica está diretamente ligada à inovação – ela é o caminho para o desenvolvimento de terapias melhores e mais eficientes. Quanto mais favorável for o ambiente para estudos clínicos, mais o paciente brasileiro irá ganhar”, afirma Elizabeth de Carvalhaes, presidente-executiva da INTERFARMA. 

Hoje, o Brasil se destaca como 9ª maior economia e 6º maior mercado farmacêutico do mundo. Contudo, figura apenas com a 24ª colocação em pesquisa clínica, considerando estudos iniciados em 2018. Existem entraves significativos para isso, como o tempo de espera para que um pedido de estudo clínico seja analisado e aprovado pelos órgãos reguladores, considerando os aspectos sanitários e éticos. Por vezes, o tempo de espera chega a 12 meses, o dobro da média mundial.

Como os principais estudos são multicêntricos, ou seja, realizados em diversos países ao mesmo tempo, muitos pesquisadores acabam desistindo de esperar pela resposta do Brasil e retiram o estudo do País. Outros, sequer incluem o Brasil, pois já conhecem as dificuldades locais.

Estima-se que o País tenha potencial para crescer rapidamente em pesquisa clínica, saltando da 24ª para a 10ª colocação, gerando milhares de empregos e beneficiando inúmeros pacientes. Isso porque o Brasil já possui cientistas qualificados e oferece um ambiente de pesquisa atraente, pela diversidade da população, do clima e dos aspectos culturais. 

Sob a perspectiva econômica, a pesquisa clínica tende a atrair investimentos, aprimorar a qualificação dos cientistas, melhorar as condições de infraestrutura e beneficiar a balança comercial do setor. 

O estudo é fruto de uma parceria entre INTERFARMA, ABRACO (Associação Brasileira de Apoio e Combate ao Câncer) e Aliança Pesquisa Clínica Brasil.


Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon