31/05/2019

Setor

Cooperação entre governo e hospital leva inteligência artificial para a rede pública

Folha de S.Paulo

O big data já não é novidade em hospitais de referência da rede privada de saúde no Brasil. Agora, um projeto de cooperação entre o Ministério da Saúde e o Hospital Israelita Albert Einstein deverá levar um pouco dessa tecnologia —que usa grande volume de dados complexos coletados, armazenados e interpretados por softwares de alto desempenho— também para a rede pública. 

O objetivo é planejar um modelo de gestão da informação mais inovador.

A parceria envolve a elaboração e aplicação de ferramentas de inteligência artificial para realizar análise de dados coletados na rede pública de saúde em 11 municípios, nas áreas de perinatal e materno-infantil. 

Os dados começaram a ser coletados no final do ano passado, e até 2020 está prevista a entrega dos resultados, que serão uma base e uma proposta de integração com outras bases de informação do SUS.

“A partir da análise dos dados será possível predizer os riscos de prevalência de diabetes e hipertensão gestacional em determinada localidade e desenvolver uma política pública adequada para gerenciá-los”, diz Sidney Klajner, presidente do Hospital Israelita Albert Einstein. 

Segundo ele, a parceria deve contribuir para o estabelecimento de uma cultura de gestão baseada em dados, com integração de informações de diferentes setores e inteligência artificial, visando apoiar o planejamento e as tomadas de decisão ligadas a financiamento e coordenação dos serviços.

O projeto nasceu como um desdobramento da experiência do hospital com sua área de big data, criada em 2015. Agora, será viabilizado a partir da progressiva adoção do prontuário eletrônico pelos hospitais da rede pública e a implementação do digiSUS, a estratégia do ministério para a incorporação de tecnologias digitais até 2020. 

A cooperação com o Einstein ocorre no âmbito do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS). 

O valor alocado no projeto será de R$ 32 milhões, com 150 profissionais envolvidos, entre cientistas de dados, arquitetos, engenheiros e gestores da saúde. Também participam equipes da área de tecnologia da informação de três universidades federais, de Bahia, Minas Gerais e Espírito Santo.

O Proadi-SUS oferece isenções fiscais a hospitais filantrópicos de excelência que propõem projetos assistenciais ou que colaborem para o fortalecimento do SUS.

Além do Einstein, há trabalhos também em cooperação com Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento e HCor (Hospital do Coração), nas áreas de bioengenharia, pesquisas com células NK (natural killer), expansão de linfócitos e intervenções intrauterinas, entre outros.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon