09/05/2019

Setor

Falta de remédios no SUS ameaça 2 milhões de pacientes

Panorama Farmacêutico

Uma crise sem precedentes no abastecimento de remédios ameaça o acesso à saúde de pelo menos 2 milhões de pacientes no país. Dos 134 medicamentos distribuídos pelo Ministério da Saúde à rede pública, 25 estão em falta ou com entregas insuficientes. Outros 18 têm estoques muito baixos e podem acabar em menos de 30 dias.

Os remédios já esgotados são considerados essenciais para tratamentos contra câncer de mama, leucemia infantil e inflamações, segundo o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass). Esse grupo, inclusive, encaminhou um ofício ao ministro Luiz Henrique Mandetta no último dia 12 de março, alertando para a gravidade do problema.

Em estados como Minas Gerais, Pernambuco e Rio de Janeiro, falta medicação para cerca de 20 mil pacientes que passaram recentemente por transplantes de rins e fígado. O presidente do Conass, Alberto Beltrame, define a situação como uma crise humanitária, enquanto o ministro promete alterar o esquema de compra trimestral de remédios para um sistema anual.

“A gente pretende zerar o desabastecimento no mês de maio e ter um fôlego de abastecimento contínuo. Ter, na sequência, um estoque regulador para essas medicações, não ter o desperdício, não ter o “a mais” e o não ter o “a menos”, declarou.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon