10/04/2019

Associadas / Interfarma / Setor

INTERFARMA realiza debate com ANS e constata que medicamentos representam apenas 6,5% dos custos das operadoras

Foto: André Nakahara

Na manhã da última terça-feira, dia 09, a INTERFARMA realizou o evento “As Novas Tecnologias e a Saúde Suplementar” para debater o impacto do medicamento no custo dos planos de saúde. O evento reuniu um público de 120 pessoas e contou com a presença de quatro representantes da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS). Rogério Scarabel, Diretor de Normas e Habilitação dos Produtos; Maurício Nunes, Diretor Adjunto de Normas e Habilitação dos Produtos; Teófilo Rodrigues, Gerente de Assistência à Saúde e Carla Soares, Gerente Geral de Regulação Assistencial, que realizou o discurso de abertura oficial do evento, em nome de Leandro Fonseca.

Para enriquecer o diálogo, participaram também o Presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica (SBOC), Dr. Sergio Simon; o Gestor médico da UNIMED de São José do Rio Preto (SP), Dr. Manoel Carlos dos Santos; a Presidente e Diretora Executiva da Oncoguia, Luciana Holtz e o Vice-presidente Sênior para América Latina da IQVIA, Sydney Clark, apresentou os resultados de um estudo encomendado pela INTERFARMA, sobre os reais impactos dos medicamentos nos custos da saúde. Para acessar a publicação clique aqui.

Seguem abaixo os principais pontos abordados ao longo do evento.

Por meio do estudo, ficou comprovado que o medicamento:

  1. Representa apenas 6,5% dos custos das operadoras;
  2. É o responsável pela transformação nos desfechos de algumas doenças que hoje estão controladas (hepatite C) ou se tornaram crônicas (AIDS), levando à qualidade de vida do paciente. Além disso, os medicamentos evitam custos extras associados aos agravos e às intervenções que decorrem do paciente que não tem acesso;
  3. O medicamento, dentro do setor de saúde, é o mais regulado: pesquisa clínica, registro sanitário, preço, incorporações no SUS e na saúde suplementar. O tempo é variável, portanto, atrasa e encarece o processo, dificultando o acesso ao que há de mais efetivo e atualizado.
  4. Entre os palestrantes, houve consenso de que há muito desperdiço e ineficiência no sistema, além de fraudes. Portanto, é preciso investir na prevenção, no diagnóstico mais precoce e no tratamento com a tecnologia mais eficaz disponível;
  5. ANS reconhece que é preciso aumentar a eficiência do sistema, incentivando a substituição do pagamento por serviço prestado pelo desfecho clínico;
  6. Em relação ao Rol de Procedimentos, a Agência disse ser inviável reduzir o prazo de três anos para a revisão (2021), pois desde o lançamento da Consulta Pública em fevereiro passado, não recebeu nenhuma contribuição. O prazo da CP se encerra no próximo mês de maio. Entretanto, reforçou que existe previsão legal que permite que determinada tecnologia possa ser incorporada a qualquer tempo em condições de excepcionalidade (epidemia de microcefalia e vírus Zika);
  7. O compartilhamento de dados dos pacientes (mantendo o sigilo) foi citado como forma de aumentar a efetividade do tratamento, já que eles podem migrar de planos e prestadores várias vezes em suas vidas.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon