11/03/2019

Interfarma / Setor

Ministro da Saúde diz que acesso depende de compartilhamento de risco

De: INTERFARMA

Respondendo a uma pergunta da presidente-executiva da INTERFARMA, Elizabeth de Carvalhaes, de como a indústria e o Ministério da Saúde podem trabalhar para igualar o nível de acesso entre os setores público e privado, o ministro Luiz H. Mandetta disse entender o valor das novidades tecnológicas, mas que os “medicamentos caros não podem ser acessados pelos brasileiros sem o compartilhamento de risco da indústria”.

De acordo com o ministro, o modelo de financiamento da saúde pode ser revisto em alguns aspectos para ampliar o acesso e garantir os direitos previstos na Constituição. A declaração foi realizada durante o evento “Projeto Saúde para um Novo Brasil”, na tarde desta segunda-feira, dia 11.

O ministro criticou o modelo de PDPs. Segundo ele, será feita uma reavaliação, pois “as parcerias asseguram preços apenas por um determinado momento”, destacando que é importante deixar agir as leis de mercado. Ao encerrar o tema, o ministro propôs “um esforço conjunto com a indústria para melhorar o acesso” às novas tecnologias ao paciente brasileiro.

Luiz H. Mandetta foi o convidado do almoço-debate promovido pela Lide Empresarial, do Grupo Dória, e do qual a INTERFARMA foi uma das patrocinadoras. A presidente-executiva, Elizabeth de Carvalhaes, fez parte da mesa de debates. O ministro, que é médico, ex-deputado e ex-secretário de saúde, fez um breve histórico sobre o sistema de saúde no Brasil, mas ressaltou que o SUS é o modelo atual e que precisa ser valorizado e aperfeiçoado. 

Neste sentido, Mandetta apresentou algumas propostas para reorganizar o sistema e torná-lo mais eficiente, como “implantação do conceito de Distritos Sanitários, viabilidade do prontuário eletrônico e melhoria da tecnologia da informação”. Anunciou, inclusive, uma mudança no organograma do Ministério da Saúde com a criação de uma Secretaria de Tecnologia da Informação, voltada para a melhoria da resolutividade na atenção primária. 

O ministro falou também sobre desburocratização e sistema de regulação, que passarão por uma mudança significativa. “Vamos entrar num momento de segurança jurídica em que o cidadão brasileiro poderá fazer seus investimentos, sem burocracia. Assim, a partir da aprovação das reformas, especialmente a da Previdência, sairemos muito mais confiantes para implantar mudanças importantes para o Brasil”. 

Luiz H. Mandetta falou ainda sobre teto de gastos, financiamento da saúde e redefinição do papel da União no sistema de saúde. Além disso, o ministro ressaltou a importância das farmácias, hoje focadas no comércio, resgatarem o conceito de “estabelecimento de saúde”. Dessa forma, elas voltariam a ter um papel importante na redução do impacto no sistema de saúde.

O evento contou também com a presença do secretário Estadual de Saúde, José Henrique Germann Ferreira, e de outros representantes do setor de saúde privada.

Pesquisa sobre clima empresarial 

Durante o evento, os presentes responderam a 136ª edição do Índice LIDE-FGV de Clima Empresarial. O índice, calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) em parceria com o LIDE, é uma nota de 0 a 10, resultante de três componentes com o mesmo peso: governo, negócios e empregos. 

Perguntados sobre qual a área que o Brasil precisa melhorar, a educação foi apontada por 34% dos empresários, seguida por infraestrutura (22%), política (21%), saúde (15%) e segurança (8%). Sobre o índice LIDE – FGV de empregos atuais (diretos e indiretos), 53% do empresariado acredita que o país vai empregar mais, contra 54% na última pesquisa; 42% acham que o Brasil vai manter a taxa atual, contra 40% no último estudo; e 5% acreditam que haverá demissões, contra 6% em dezembro do ano passado.

Sobre o otimismo na situação atual dos negócios, 53% acreditam estar melhor, contra 49% na última pesquisa; 42% acham que está igual, contra 41%; e 5% avaliam que a situação está pior, contra 10% em dezembro do ano passado. 

Em relação ao levantamento anterior, feito em dezembro do ano passado, a preocupação com o atual cenário político aumentou de 84% para 90% do empresariado. A crise internacional, a inflação e o câmbio também são temas preocupantes para 6%, 3% e 2% dos empresários, respectivamente.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon