24/01/2019

Associadas / Setor

Governo de SP estuda parceria entre Butantan, USP e farmacêutica Novartis

Folha de S.Paulo | Jornalista: Gabriel Alves e Phillippe Watanabe

Nesta quarta (23), o governador de São Paulo João Doria (PSDB) se encontrou com o presidente do Instituto Novartis de Pesquisa Biomédica (Nibr, na sigla em inglês), James Bradner, para discutir uma eventual parceria da empresa com a USP e com o Instituto Butantan, na área de pesquisa. O encontro aconteceu no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

"Nos últimos três anos a Novartis do Brasil teve um investimento de US$ 150 milhões (R$ 565 milhões) em programas de pesquisa. Agora o objetivo é que o Governo de São Paulo, ao lado da Novartis, possa realizar um programa para os próximos 10 anos", afirmou o Doria.

Segundo a assessoria de imprensa do governador, Doria e Bradner irão se encontrar novamente no Brasil para conversar sobre a ideia.

Não foi explicitado qual seria o escopo desse programa. Algumas das áreas de atuação da Novartis envolvem terapia celular, terapia gênica e os chamados imunobiológicos, área em que o Butantan também têm expertise.

Recentemente a empresa suíça lançou uma terapia celular para o tratamento de leucemia e uma terapia gênica para tratar uma doença que leva à cegueira.

Hoje a Novartis atua nas áreas de oftalmologia, neurologia, sistema respiratório, imunologia (que engloba dermatologia e reumatologia, por exemplo), cardiovascular e oncologia. Em parceria com governos também há produção de drogas a preço custo para tratamento de hanseníase, no Brasil, e malária, na África.

O Butantan já firmou parcerias com outras farmacêuticas. Entre os principais acordos, o da MSD (Merck, nos EUA) foca o desenvolvimento da vacina da dengue e pode render mais de US$ 100 milhões (cerca de R$ 376 milhões) ao instituto, além de royalties.

Também há uma parceria com a Libbs, no valor de R$ 40 milhões, para a construção de uma fábrica de medicamentos monoclonais —para tratamento de câncer e doenças autoimunes. Segundo o Butantan, a fábrica produzirá e fornecerá ao SUS seis drogas: trastuzumabe, rituximabe, bevacizumabe, etanercepte, adalimumabe e palivizumabe.

O objetivo declarado de Doria em Davos é atrair investimentos estrangeiros para São Paulo. Uma das metas é formar parcerias com o setor privado para que o Butantan se torne o maior produtor mundial de vacinas. A Novartis recentemente vendeu sua área de vacinas para GSK, com a qual o Butantan também tem uma parceria.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon