11/01/2019

Setor

Inteligência artificial ajuda a identificar síndromes genéticas raras

UOL Viva Bem

Já imaginou usar a inteligência artificial para diagnosticar distúrbios raros usando apenas a foto do seu rosto? A ideia parece estar distante da nossa realidade, mas segundo um estudo publicado na revista Nature Medicine, pesquisadores americanos podem ter achado o caminho para diagnósticos precoces e baratos.

Os cientistas construíram um programa de computador chamado DeepGestalt e o treinaram em um conjunto de dados publicamente disponíveis de mais de 17 mil fotos de pacientes afetados por mais de 200 distúrbios raros. O programa então usou o aprendizado para reconhecer quais padrões de marcadores estavam ligados a centenas de diferentes síndromes genéticas.

Em um teste com 502 novas imagens, a plataforma identificou com sucesso a síndrome correta. O programa também auxiliou os médicos a identificar pacientes com síndromes de Angelman e Cornelia de Lange --mutações genéticas que causam mudanças nos traços faciais de quem a possui. 

Os pesquisadores ressaltam que a ferramenta poderá ser usada em combinação com testes genômicos para ajudar os médicos a procurar marcadores genéticos específicos e realizar diagnósticos com precisão.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon