09/01/2019

Setor

Atividade industrial segue instável, revela IBGE

DCI

A oscilação da produção industrial foi mais uma vez constatada em novembro, com avanço de apenas 0,1% sobre outubro e queda de 0,9% na comparação anual, informou ontem o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

De acordo com a Pesquisa Industrial Mensal (PIM), os índices acumulados do ano (+1,5%) e nos últimos 12 meses (+1,8%) continuam positivos, mas “o setor seguiu mostrando perda de ritmo frente aos meses anteriores”, destacou o IBGE.

Conforme o Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi), na segunda metade de 2018 a indústria “deu alguns passos para trás em sua recuperação e quase nenhum para frente.” O Iedi destacou ainda que a característica do período mais recente é a estagnação.

No levantamento de novembro, apenas uma das quatro grandes categorias econômicas e dez dos 26 ramos pesquisados mostraram crescimento na produção sobre outubro. A influência positiva mais relevante foi a de produtos alimentícios, que avançou 5,9% no período, interrompendo quatro meses consecutivos de queda. Destaque também para produtos farmoquímicos e farmacêuticos (+7,1%) e coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis (+0,5%).

Já entre os 16 ramos que tiveram queda, o desempenho mais relevante foi o de veículos automotores, reboques e carrocerias, que recuou 4,2% na passagem de outubro para novembro.

No entanto, ao longo do ano os resultados do setor têm puxado para cima o desempenho total da indústria.

Conforme o IBGE, outros impactos negativos ocorreram, na mesma base de comparação, nos setores de máquinas e equipamentos (-3,2%), produtos diversos (-13,3%), indústrias extrativas (-0,6%), produtos de minerais não-metálicos (-1,3%), máquinas, aparelhos e materiais elétricos (-1,8%) e impressão e reprodução de gravações (-7,9%).

Segundo a PIM, entre as grandes categorias econômicas, a de bens intermediários (0,7%) teve a única taxa positiva no mês, interrompendo três quedas consecutivas. Por outro lado, os setores de bens de consumo duráveis (-3,4%) e de bens de capital (-2,7%) tiveram recuo na passagem de outubro para novembro. Bens de consumo semi e não-duráveis apontou variação nula.

Frustração

Na comparação com novembro de 2017, a produção industrial recuou 0,9%, com resultados negativos em três das quatro grandes categorias econômicas e 14 dos 26 ramos pesquisados. “A deterioração é generalizada entre os macrossetores industriais, porém, é mais aguda em bens de consumo semi e não duráveis”, destaca relatório do Iedi. “O nível de produção em novembro encontravase 2,7% abaixo daquele de junho de 2018, indicando que, sem sombra de dúvida, o segundo semestre do ano foi frustrante”, acrescenta.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon