07/01/2019

Associadas / Setor

Farmacêuticas reforçam alianças para a pesquisa em câncer

Portal OncoNews

Grandes companhias farmacêuticas iniciaram o ano com o anúncio de novas estratégias para ampliar o pipeline e reforçar presença na pesquisa e desenvolvimento de oncológicos. Bristol-Myers Squibb, Celgene, Sanofi e Takeda fazem apostas estratégicas. Confira.

Em uma operação de 64,9 milhões de euros, a Bristol-Myers Squibb oficializou o acordo com a Celgene, protagonizando uma das maiores fusões recentes da indústria farmacêutica. “A transação criará uma biofarmacêutica líder, bem posicionada para atender às necessidades de pacientes com câncer, doenças inflamatórias, imunológicas e cardiovasculares”, divulgou a BMS em comunicado de 3 de janeiro.

Com a fusão, a BMS passa a assumir 61% de participação societária, agregando ao portfolio plataformas de tratamento consolidadas na oncohematologia, como Revlimid® (lenalidomida) e Pomalyst® (pomalidomida). A expectativa é movimentar mais de US $ 1 bilhão em vendas anuais.

A Sanofi também inicia o ano disposta a ampliar alianças estratégicas em pesquisa e desenvolvimento. Depois de firmar parceria com a BioNTech em 2015, a farmacêutica francesa anuncia investimentos de 80 milhões de euros (aprox. 91,5 milhões de dólares) para fortalecer as operações da BioNTech. A colaboração prevê estudos clínicos em múltiplos tumores sólidos, com destaque para as pesquisas com imuno-oncológicos.

Outra a divulgar novas alianças em P&D para a imuno-oncologia é a Takeda. Depois da aquisição da Shire, a asiática anunciou três novas colaborações com ênfase nas tecnologias CAR T-cells. Entre as promessas está a plataforma “Prime”, da Noile-Immune Biotech, que deve suportar pesquisas em diferentes aplicações.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon