03/12/2018

Interfarma / Setor

INTERFARMA defende critério médico em audiência pública sobre intercambialidade de biológicos

Boca do Povo New

O deputado Geraldo Resende (PSDB) presidiu nesta quinta-feira (29) a Audiência Pública da Comissão de Defesa dos Direitos das Pessoas com Deficiência da Câmara dos Deputados, que debateu a regulamentação da intercambialidade entre produto originador e o produto biossimilar. O parlamentar defende que o medicamento prescrito só pode ser substituído por um similar durante o tratamento pelo médico.

Produtos biossimilares são medicamentos sintéticos com moléculas mais simples que as moléculas biológicas. Esses medicamentos são testados e seguros, porém, podem colocar a saúde do paciente em risco quando o tratamento foi iniciado com um medicamento biológico, com moléculas mais complexas, e no decorrer é substituído por um biossimilar.

Um exemplo de um biossimilar é a aspirina, que apresenta 21 átomos em cada uma de suas moléculas, já a molécula do Etanercepte, medicamento biológico usado no tratamento da artrite reumatoide, tem mais de 7 mil átomos. “Nossa intenção é que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária se posicione para que apenas o médico possa trocar a medicação de produto originador para biossimilar. É o médico que conhece o paciente, as suas necessidades, o tratamento e desta forma não coloca a saúde de ninguém em risco. Existem relatos de doenças que não responderam a troca de medicação e também importantes efeitos colaterais”, afirmou Resende, que também é médico.

“Os custos dos biossimilares são mais baixos porque alguns testes não são exigidos e apresentam moléculas bem mais simples. Realizamos todas as avaliações clínicas e não clínicas, isso tudo para que o medicamento chegue a prateleira com qualidade, eficácia e segurança”, afirmou Renato Porto, diretor de Regulamentação Sanitária da ANVISA.

“Biossimilar e biológico não são idênticos, tem que ser acompanhados de características que os diferencie. Por vezes a administração pública realiza licitações para aquisição de medicamentos e aqueles que recebem os remédios começam seus tratamentos com biológicos e continuam com biossimilar porque outra empresa ganhou o certame pelo preço mais barato”, alertou Priscilla Torres, representante da Rede de Associações de Pacientes.

Para Solange Nappo, diretora da Associação da Industria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma). “Para ANVISA e para nós é imprescindível a avaliação médica, caso a caso, para qualquer troca de medicamento biológico de pacientes em tratamento. Já existem pelo menos 10 posicionamentos de instituições contra troca automática de biológicos” disse.

Para o consultor independente Valdir Pinto, “intercambialidade entre medicamentos é a condição onde dois ou mais produtos farmacêuticos podem ser permutados, um pelo outro, de forma simples ou alternada, sem risco significativo de eficácia e segurança. Substituição é um ato ou ação que executa a troca de um medicamento por outro durante o tratamento com base em algum critério, desejavelmente de natureza clínica. Neste caso, o que não pode ocorrer é substituição automática, que é a substituição que pode ser exercida pelo agente dispensador sem a necessária anuência do medico, tipicamente autorizada pelo órgão regulador”.

“Caso não haja uma Resolução da Diretoria Colegiada, a chamada RDC, é possível pensarmos em uma proposição na Câmara dos Deputados para assegurar o direito dos pacientes”, finalizou Resende.

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon