27/11/2018

Setor

Occhi quer deslocar médicos para repor vagas de cubanos

O Estado de S.Paulo | Jornalistas: Lígia Formenti, Fabiana Cambricoli e Daniel Weterman

Brasília. O Ministério da Saúde quer deslocar profissionais que já atuam no Mais Médicos para cobrir vagas antes ocupadas por cubanos.

A estratégia, citada ontem pelo ministro Gilberto Occhi, será colocada em prática caso haja dificuldade de preencher postos, principalmente em áreas mais afastadas. Ontem, 224 brasileiros inscritos no novo edital do programa se apresentaram às cidades onde irão trabalhar, segundo a pasta.

A estimativa é que 600 municípios do País poderiam ficar sem nenhum profissional se as vagas dos cubanos não forem preenchidas. O edital aberto semana passada para repor 8.517 postos no Mais Médicos teve adesão maciça de brasileiros: 21.407 já foram efetivados e 8.278 escolheram os postos de trabalho. Com isso, 97,2% das vagas já foram preenchidas.

Os 224 brasileiros encaminhados ontem são os primeiros a substituírem os cubanos. Os Estados que já receberam o maior número de médicos até agora foram São Paulo e Minas, com 42 cada um, seguidos por Espírito Santo (27) e Paraná (15).

Embora a adesão tenha sido bastante significativa, secretários municipais de Saúde temem que médicos brasileiros não compareçam ou que desistam em pouco tempo em áreas pobres e distantes. O ministério, por sua vez, prepara um plano B do deslocamento. “São hipóteses que somente vamos trabalhar depois do dia 7”, disse Occhi, numa referência ao último dia de inscrição do edital.

Terminado o prazo, se necessário, serão publicados novos editais. A preferência, na próxima rodada, será dada ainda para profissionais brasileiros, afirmou o ministro.

Neste edital, 9.327 pessoas se inscreveram, mas não tiveram seus dados efetivados. O número é maior do que os profissionais que tiveram dados validados.

Occhi, porém, avaliou esses números com naturalidade e atribuiu a inconsistências no preenchimento de nomes ou outras informações.

Temer. Em vídeo publicado ontem nas redes sociais, o presidente Michel Temer comemorou o número de inscrições e disse que não iria “deixar esse problema (da saída dos cubanos) para o próximo governo”, do presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL).

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon