19/07/2018

Setor

O gargalo no registro de patentes

O Estado de S.Paulo | Editorial

Excesso de burocracia, incompetência gerencial e falta de recursos continuam dificultando a retomada do crescimento do País e a passagem da economia brasileira a níveis mais sofisticados de produção. Um dos principais problemas envolve o Instituto Nacional da Propriedade Industrial (Inpi), órgão vinculado ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, que não tem conseguido analisar e registrar em tempo hábil os pedidos de patente encaminhados por empresas e centros de pesquisa. Em 2017, havia 230 mil pedidos na lista de espera. Hoje, são quase 350 mil pedidos.

Para a Confederação Nacional da Indústria (CNI) e para as agências de fomento à pesquisa a situação é preocupante, uma vez que pode atrasar a entrada, no País, da chamada Indústria 4.0. Desenvolvido na Alemanha no início da década de 2010, esse é um conceito de indústria que abrange a incorporação ao processo industrial das inovações técnicas nos campos de automação e de sistemas de informação em tempo real.

Como esse processo envolve transformações rápidas e constantes, ele precisa de um sistema eficiente de aprovação e registro de patentes, que o Inpi até hoje não conseguiu desenvolver. Até 2017, os pedidos de patente – que envolvem centenas de páginas – tinham de ser enviados em papel, pelo correio. Nos países desenvolvidos, eles são enviados há anos pela internet.

A maior reclamação das entidades empresariais e dos centros de pesquisa é com a insegurança jurídica decorrente da falta de agilidade na execução de um serviço que é requisito básico para o estímulo à inovação de processos e produtos.

Em média, o tempo de vida útil das tecnologias desenvolvidas ou utilizadas no Brasil é bastante curto, variando de 2 a 3 anos, conforme o ramo de atividade econômica. O Inpi, no entanto, chega a demorar de 10 a 11 anos para registrar uma patente.

Desse modo, a inovação tecnológica já está obsoleta quando o processo é finalmente concluído. Com isso, o registro da patente acaba não tendo serventia ou sentido econômico, uma vez que o tempo corroeu o benefício que a invenção ou descoberta tecnológica poderia proporcionar. Para afastar esse risco, muitas empresas brasileiras estão patenteando suas inovações nos Estados Unidos, onde o processo é rápido e desburocratizado.

O gargalo do Inpi é um dos fatores que emperram a inovação tecnológica no País, levandoo a perder espaço na cadeia global de fornecedores, diz o engenheiro eletrônico Carlos Henrique Brito da Cruz, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). “Demorar mais de uma década para aprovar uma patente é incompatível com uma economia inovadora”, afirma João Emílio Gonçalves, gerente de política industrial da CNI. Estudo promovido pela entidade revela que, nos Estados Unidos, o órgão encarregado de registrar patentes tem uma demanda de 600 mil pedidos por ano e conta com 8 mil técnicos para desempenhar essa tarefa, enquanto o Inpi tem apenas 458. Na China, o órgão de patentes tem 10,3 mil técnicos.

Além da escassez de examinadores, o Inpi carece de recursos.

De uma receita de R$ 360 milhões obtida por serviços prestados no ano passado, apenas R$ 90 milhões ficaram com o órgão – os R$ 270 milhões restantes foram repassados para os cofres do governo.

E como parte dos recursos orçamentários foi congelada, por causa da queda de arrecadação de impostos, o Inpi não conseguiu cumprir integralmente a promessa de informatizar todos os serviços de análise de pedidos de patentes nem de ampliar seu quadro de pessoal, com o objetivo de reduzir o tempo médio de registro de dez para cinco anos. Entre 2016 e 2017, o órgão fez o que era possível, diz a diretora de patentes, Liane Lage, automatizando algumas tarefas administrativas e contratando apenas 140 examinadores, cujo treinamento costuma ser demorado.

O registro da propriedade industrial é uma área que deve ser prioritária para quem assumir o governo federal em 2019.

Voltar

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Sarepta Farmacêutica
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon