09/07/2018

Setor

ANS: decepção e descrédito

O Globo

Elici Bueno e Marilena Lazzarini

Há 28 anos, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) defende os consumidores de planos e seguros saúde na busca por uma regulação mais justa e no combate aos abusos praticados, antes mesmo da aprovação da Lei 9.656, em 1998. A partir do ano 2000, passou a monitorar a atuação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), que tem demonstrado ser, institucional e politicamente, desinteressada em promover o equilíbrio no mercado de saúde suplementar. As evidências das suas falhas em relação ao dever de atender ao interesse público e proteger interesses sociais e econômicos dos consumidores são inúmeras, corroboradas pela imensa quantidade de ações judiciais de consumidores lesados e pelo volume de reclamações nos órgãos e entidades de defesa do consumidor. Os reajustes abusivos aplicados às mensalidades dos planos de saúde demonstram que as decisões regulatórias da ANS privilegiam a preservação das receitas das operadoras e ignoram a unânime insatisfação da população. Por 16 anos, o Idec vem questionando a metodologia utilizada pela ANS para reajustar os planos de saúde individuais e familiares e sua omissão em regular concretamente os planos coletivos. Pediu revisão da fórmula adotada, mas foi ignorado pela ANS. Relatório da auditoria do Tribunal de Contas da União desvendou, em parte, o que a ANS escondia do consumidor, reforçando as preocupações do Idec e confirmando a falta de transparência e distorções no controle dos reajustes. A partir do relatório do TCU, o Idec postulou contra a ANS no Judiciário, para exigir a correção da metodologia, o reconhecimento da ilegalidade dos reajustes aplicados desde 2009 e o ressarcimento à coletividade de consumidores, bem como a obrigação de transparência dessa atuação. No campo da ética e da moralidade, o Idec enviou pedido à Procuradoria-Geral da República para que seja apurada eventual improbidade administrativa de diretores da ANS a partir das informações do TCU. Essa prática lesiva, com falhas graves, mesmo após tantas cobranças e denúncias, vem causando prejuízo a milhões de consumidores. Além disso, formalizou junto à Comissão de Ética Pública da Presidência da República a suspeita de violação da moralidade e da ética na indicação pelo governo de dois nomes para a diretoria da ANS, com flagrante conflito de interesse e envolvimento com notícias de investigação de corrupção. Como se não bastasse, a diretoria da agência acaba de aprovar a RN 433/2018, permitindo a adoção de franquia e coparticipação num modelo perigoso, que potencializa o risco de endividamento e a negativa de atendimento de consumidores, conforme apontam as evidências apresentadas, inclusive pelo Ministério Público Federal. É total a decepção e descrédito do Idec em relação ao compromisso da ANS para com os consumidores, o que levou ao seu desligamento da Câmara de Saúde Suplementar da agência e à decisão de redobrar sua vigilância e atuação na luta pelos direitos de consumidorescidadãos, missão da qual não se afastará.


Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon