05/01/2018

Interfarma / Setor

Perspectivas do Mercado Farmacêutico para 2018

Portal Inova Farma

Se a economia brasileira ainda se recupera com ajuda de aparelhos, o setor farmacêutico não precisou de remédios para manter os bons resultados. Entre abril de 2015 e início de 2016, o setor faturou 66 bilhões de reais, crescimento de 10% em relação ao período de um ano antes.

Segundo dados do IMS Health, divulgados pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma), o ano de 2016 fechou na casa de 69 bilhões de reais. Em meio às incertezas econômicas enfrentadas por outros setores, o mercado de varejo farmacêutico vem remando na contramão.

Em 2017, o balanço também foi positivo. Somente no primeiro semestre, foram comercializados 1,8 bilhão de medicamentos. A população brasileira está envelhecendo e houve um significativo aumento da expectativa de vida, esses fatores resultaram no aumento da venda dos genéricos, sendo um dos principais combustíveis para esses números, de acordo com a Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos (ProGenéricos), com base em dados do IMS Health.

Conforme pesquisas de mercado, o IMS Health estima que o mercado farmacêutico brasileiro deverá alavancar em uma década, de 10º para o 5º lugar em faturamento mundial, ficando atrás apenas de grandes potências como Estados Unidos, China, Japão e Alemanha.

Mas nem tudo é favorável. Há muitos desafios a serem enfrentados, principalmente no que se refere às questões regulatórias e tributárias.

O Brasil continua sendo um dos campeões em arrecadação de impostos sobre medicamentos, mesmo aqueles que são essenciais para tratamentos de doenças, sofrem com a grande carga tributária. “O consumidor tira do próprio bolso para financiar seu tratamento e ainda paga o maior tributo do mundo”, afirma Antonio Britto, presidente da Interfarma, em entrevista para o jornal Folha de São Paulo.

O pesquisador Nick Bosanquet, professor de políticas de saúde do Imperial College, em Londres, analisou a carga tributária incidente nos medicamentos de 38 países. A pesquisa revelou que a média de impostos no Brasil é três vezes maior do que a média dos outros países analisados.

Reverter obstáculos regulatórios e tributários, manter a crescente dos bons resultados são alguns dos desafios para esse ano.

E você, está preparado para aproveitar as oportunidades? 

Voltar

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon