04/10/2018

Crescimento da rejeição preocupa equipe de campanha do segundo colocado

Estadão

O desempenho do candidato Fernando Haddad nas mais recentes pesquisas do Ibope e Datafolha e a ameaça de uma derrota no primeiro turno para Jair Bolsonaro (PSL) acentuaram diferenças internas e levaram o Partido dos Trabalhadores a procurar culpados e buscar correções na reta final da disputa presidencial. O principal revés da candidatura Haddad ocorreu no índice de rejeição, que disparou nos últimos dias – crescendo de 9 a 11 pontos porcentuais nas sondagens dos institutos divulgadas nesta semana.

Em um reflexo dessa tensão, a campanha petista mudou sua estratégia em relação ao presidenciável do PSL. Ainda nesta quarta começou a circular no horário eleitoral a primeira inserção na TV que cita nominalmente Bolsonaro. Na peça, o PT afirma que o deputado votou a favor de medidas do governo Temer e “contra o trabalhador” como a reforma trabalhista e conclui: “Já basta o Temer”.

Divergências

Segundo relatos, as discordâncias entre o círculo mais próximo de Haddad e o grupo ligado à direção do PT ficaram evidentes na reunião da coordenação da campanha realizada na terça-feira, na casa que abriga a produtora de vídeos da campanha, em São Paulo.

Enquanto um grupo defendia que o candidato imponha mais sua personalidade e seja “mais Haddad” nesta reta final para amenizar os efeitos do antipetismo, outro exigia a manutenção do roteiro original traçado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva – condenado e preso na Operação Lava Jato –, no qual o candidato é o porta-voz do programa de governo elaborado pelo PT.

Aos poucos, as críticas até aqui veladas ao programa de governo, considerado “radical” por muitos petistas, começam a ficar públicas. Na terça, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) afirmou, durante evento de campanha em São Paulo, que Haddad deve abandonar a proposta de convocação de uma Constituinte, prevista no programa. “Tira do programa. Dá uma tesoura para recortar esse negócio de Constituinte, que já está sendo explorado pela direita”, disse o parlamentar, sob aplausos.

O diagnóstico de que uma onda de fake news direcionada ao eleitorado evangélico de baixa renda foi o maior motivo para o aumento da rejeição ao candidato também causou rusgas internas. Para setores importantes do PT, a campanha falhou ao subestimar o potencial de estrago das notícias falsas.

O desempenho sofrível dos candidatos do PT aos governos de São Paulo, Luiz Marinho (8% no Ibope), e do Rio, Marcia Tiburi (5% no Ibope), também é apontado por dirigentes e lideranças petistas como um dos motivos para que o ritmo de crescimento de Haddad nas pesquisas tenha diminuído.

O petista, que teve crescimento rápido desde que foi oficializado candidato, em 11 de setembro, estacionou em 21% na penúltima pesquisa Ibope e oscilou positivamente para 23% na sondagem divulgada nesta quarta-feira, 3 de outubro (pesquisa entre 1 e 2 de outubro, com 3.010 entrevistados e margem de erro de 2 pontos percentuais, sob registro BR-08245/2018). Petistas ainda temem que Bolsonaro seja eleito na votação em primeiro turno.

Voltar

Disclaimer: todas as informações aqui publicadas tratam-se de transcrições e/ou simples reproduções, devidamente contextualizadas, de manifestações públicas dos principais candidatos à Presidência da República, divulgadas e identificadas por meio dos veículos de comunicação disponíveis (jornais, revistas, televisão, portais de notícias etc), nos mais diversos formatos (impressos, vídeos, digitais, eletrônicos etc), acompanhados sempre do link e/ou citação da respectiva fonte. As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade dos seus respectivos autores, não exprimindo, necessariamente, a opinião da INTERFARMA.

Abbot
Abbvie
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon