04/10/2018

ANÁLISE: Efeito ‘cabo de guerra’ move disputa entre Bolsonaro e Haddad

Estadão

As pesquisas num fluxo diário nesta reta final da sucessão presidencial captam uma espécie de cabo de guerra entre Jair Bolsonaro e Fernando Haddad: o crescimento de um causa, como reação, a subida do outro na rodada seguinte. Assim, se na medição anterior do Ibope/Estado/TV Globo, o petista aparecia estável e com a rejeição a galope e o candidato do PSL crescia, desta vez os dois apenas oscilam, mas Haddad um pouco mais. 

A quatro dias do pleito, o cenário é de estabilidade após semanas de crescimento dos dois líderes. Bolsonaro precisaria ter mantido o ritmo intenso de alta para ter mais esperança na vitória já no primeiro turno – discurso que continuará a ser inflado nas redes sociais.

O Ibope joga água fria na tentativa de engrossar o caldo da terceira via. A despeito da tabelinha do debate da TV Record e dos apelos que têm feito, Ciro Gomes, Geraldo Alckmin e Marina Silva perderam musculatura, em vez de ganhar. Se continuarem a desidratar, podem contribuir com a tentativa de Bolsonaro de liquidar a fatura antecipadamente.

Ciro sonhava ser uma opção de centro-esquerda à aversão do eleitorado ao PT. Sua oscilação negativa mostra que esse discurso passa longe do grosso do eleitorado petista – nordestino, de baixa renda e baixa escolaridade.

Assim, ao menos por ora, Haddad estancou a sangria depois da delação de Antonio Palocci e das diatribes de José Dirceu. Tudo o mais constante, vai se desenhando o tão temido segundo turno dos extremos.

Voltar

Disclaimer: todas as informações aqui publicadas tratam-se de transcrições e/ou simples reproduções, devidamente contextualizadas, de manifestações públicas dos principais candidatos à Presidência da República, divulgadas e identificadas por meio dos veículos de comunicação disponíveis (jornais, revistas, televisão, portais de notícias etc), nos mais diversos formatos (impressos, vídeos, digitais, eletrônicos etc), acompanhados sempre do link e/ou citação da respectiva fonte. As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade dos seus respectivos autores, não exprimindo, necessariamente, a opinião da INTERFARMA.

Abbot
Abbvie
Actavis
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Isdin
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
Merck Serono
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
Pierre Fabre
Reckitt
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Stiefel
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Zambon