22/08/2018

Escolha do novo ministro da Saúde é tema de artigo no jornal O Globo

Artigo: A delicada escolha do novo ministro da Saúde

O Globo / Site | ALFREDO GUARISCHI*

O cargo de ministro da Saúde estará, em breve, vago. Graças a Deus!

A permanência no cargo foi em média de 20 meses nos últimos 50 anos, e o ministro que mais tempo permaneceu na função foi o médico Waldyr Arcoverde, por 65 meses, no governo do General Figueiredo. O médico Paulo Machado permaneceu, por 60 meses, no governo do General Geisel; o economista José Serra, por 47 meses, no segundo governo de Fernando Henrique Cardoso; o médico José Temporão, por 45 meses, no segundo governo Lula.

Com esse breve histórico, algumas perguntas exigem um posicionamento dos candidatos a presidente da República.

Continuarão as constantes mudanças no Ministério da Saúde, que é o responsável pelo maior orçamento entre todos os ministérios? O ministro será escolhido por estar na “cota” de um partido político? Continuarão os escândalos de corrupção e a volta de epidemias? E mais: o aparelhamento político, impostos extorsivos e renúncias fiscais, que geram prejuízos aos pacientes, profissionais da saúde e empresários?

Continuaremos a copiar o que há de pior do modelo americano, que permanece em último lugar quando comparado com o de Reino Unido, Austrália, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Suécia, Suíça, Alemanha, Canadá e França? Essa classificação, que permanece semelhante há décadas, considera o acesso da população ao sistema, seus custos e o resultado dos tratamentos. Os EUA contribuem muito para o progresso da medicina, mas adotam um modelo cruel para os pobres.

Por último, por que continuar o negócio da proliferação de faculdades de medicina de má qualidade e que enriquecem seus “sortudos” proprietários?

Há ausência de compromissos de longo prazo, nomeações políticas até para chefias técnicas, falta de um plano de carreira (como há no Judiciário), (des)organizações sociais — terceirização irregular de atividades-fim —, que trocam o corpo técnico seguidamente, e falta de concursos públicos para repor os servidores que se aposentam desestruturam o sistema de saúde. Não custa lembrar que é o sistema público o principal responsável pela vacinação, por emergências e transplantes de órgãos; que sarampo, hepatite e tuberculose não são evitados com perfumes caros; que uma carteira de plástico do plano de saúde nada vale num desastre; e que a fila em busca de um órgão é única e pública.

Mesmo quem critica o educador Paulo Freire há de concordar com sua afirmação de que “... a melhor maneira que a gente tem de fazer possível amanhã alguma coisa que não é possível fazer hoje é fazer hoje aquilo que hoje pode ser feito...”. Eu resumo isso como: o certo é certo, mesmo que poucos o façam, e o errado é errado, mesmo que a maioria aja desta forma.

O despreparo da gestão e a corrupção deterioraram nosso sistema de saúde, e o governo insiste em privatizar o público, sem regular o privado. Caberá ao novo presidente escolher e manter estável no posto um ministro preparado para a missão — comprometido com a saúde — e que saiba dialogar com a sociedade, independentemente do CEP, CNPJ ou CPF.

ALFREDO GUARISCHI é médico.

Voltar

Disclaimer: todas as informações aqui publicadas tratam-se de transcrições e/ou simples reproduções, devidamente contextualizadas, de manifestações públicas dos principais candidatos à Presidência da República, divulgadas e identificadas por meio dos veículos de comunicação disponíveis (jornais, revistas, televisão, portais de notícias etc), nos mais diversos formatos (impressos, vídeos, digitais, eletrônicos etc), acompanhados sempre do link e/ou citação da respectiva fonte. As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade dos seus respectivos autores, não exprimindo, necessariamente, a opinião da INTERFARMA.

Abbot
Abbvie
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Gilead
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon