26/06/2018

Datafolha mostra que saúde é avaliada como ruim ou péssima por 55% dos brasileiros

(Fonte: Opinião dos brasileiros sobre o atendimento público na área de saúde, Datafolha e CFM)

Com base em pesquisa do Instituto Datafolha, o jornal Folha de S.Paulo publicou uma ampla reportagem sobre a percepção do brasileiro sobre os serviços de saúde nas esferas pública e privada. Veja abaixo:

Maioria dos brasileiros avalia saúde como ruim ou péssima, diz Datafolha

Para os entrevistados, o tempo de espera é o que mais contribui para os problemas no atendimento

Natália Cancian | Folha de S.Paulo

BRASÍLIA - Mais da metade dos brasileiros, ou 55%, avaliam a saúde no país como ruim ou péssima, aponta uma pesquisa do Datafolha encomendada pelo CFM (Conselho Federal de Medicina).

Outros 34% avaliam como regular e 10% como boa, avaliação que vale tanto para serviços públicos quanto privados.

O levantamento ouviu 2.087 pessoas em maio deste ano, em amostra representativa da população. 

Para o presidente do CFM, Carlos Vital, "os números mostram claramente a insatisfação da sociedade brasileira com o atendimento oferecido em saúde no país". "Precisamos de mais sensibilidade política, com financiamento mais adequado, gestão mais eficiente e fiscalização mais efetiva", afirma.

Entre os entrevistados, 97% afirmaram ter buscado acesso ao menos algum serviço do SUS nos últimos dois anos para si ou para a família. Os principais foram vacinação e atendimento em postos de saúde. 

Questionados sobre como avaliam a saúde pública, 54% disseram ver como ruim ou péssima, 28% como regular e 17% co mo ótima ou boa.

Para os entrevistados, o tempo de espera demorado é o que mais contribui para os problemas no atendimento, seguido da falta de recursos e má gestão. 

Durante a semana da pesquisa, 39% dos entrevistados disseram esperar naquele momento por algum atendimento no SUS, como consultas, exames e cirurgias. 

O índice é maior em relação a pesquisas anteriores feitas em 2014 e 2015, quando 30% e 29% aguardavam algum atendimento na rede. O aumento ocorre no mesmo período em que houve redução no número de usuários de planos de saúde no país.

Entre esse grupo, que espera por atendimento, dobrou o percentual de entrevistados que dizem aguardar há mais de seis meses. Em 2014, a pesquisa mostrou que esse índice era de 29%. Em 2018, esse percentual já atinge 45% --sendo que 29% do total aguardavam há mais de um ano. 

"Se o acesso está ruim, se a atenção básica não for eficiente, tudo torna-se ineficiente", afirma Donizetti Dimer, da comissão pró-SUS do CFM. "Queremos um sistema melhor, mais organizado, com melhor gestão e financiamento", afirma.

DIFICULDADE DE ACESSO

A pesquisa fez ainda uma avaliação do grau de dificuldade de acesso a 14 serviços no SUS. Destes, ao menos 11 foram alvo de críticas. 

Neste se ntido, o serviço com pior avaliação foi o de consulta com médicos especialistas, avaliado como tendo acesso “muito difícil” e “difícil” por 74% daqueles que buscaram esse tipo de atendimento.

Em seguida, está realização de cirurgias (68%), internação em leitos de UTI (64%) e realização de exames de imagem (63%).

Para Dimer, esse alto índice pode ser explicado por problemas na organização da rede de assistência, com falha ainda no atendimento básico nos postos de saúde, o que poderia aliviar a demanda, diz. "Em nosso país, a atenção primária não é tão resolutiva quanto se pretenderia"

Outros problemas, afirma, são a falta de acesso a centros de especialidades médicas, sobretudo em municípios menores, e de mais políticas para fixação de médicos no interior. 

"Municípios de pequeno porte muitas vezes têm atenção primária e não tem acesso a centros de especialidades médicas, ou a exames complementares mais sofisticados. Esse mesmo paciente, por não ter acesso, procura as emergências para problemas simples e acaba necessitando de mais internações hospitalares", avalia. "O sistema precisa de mais organização em seus níveis de atenção."

Os dados mostram ainda que, superada a dificuldade de acesso, a avaliação do SUS melhora em relação à qualidade dos serviços. Neste caso, 39% avaliam o atendimento como bom ou excelente, 38% como regular e 22% como ruim ou péssimo.

Quando questionados sobre a qualidade de serviços específicos no qual receberam atendimento, a principal crítica foi para o atendimento em pronto-socorro, com 63% das reclamações, seguido de internação em leitos comuns e consultas com médicos em postos de saúde. Já o serviço mais bem avaliado foi o de oferta de vacinas (66% avaliam como bom ou excelente). 

ELEIÇÕES

Realizada a pouco meses das eleições, a pesquisa também questionou o que a população espera dos candidatos em relação à área da saúde.

Para 26%, políticos devem investir no combate à corrupção na área da saúde. Outros 18% apontam a necessidade de redução no tempo de espera por consultas, exames e cirurgias e 13% a melhora na fiscalização dos serviços da rede pública. 

Outras sugestões indicadas foram a construção de mais postos e hospitais e garantia de melhores condições de trabalho e remuneração para médicos e profissionais de saúde.

Quatro em cada dez entrevistados avaliam que a saúde deveria ser área prioritária do governo federal –índice superior ao de outras áreas, como educação.

Comparada a pesquisas anteriores, houve um aumento, no entanto, no percentual daqueles que avaliam a necessidade de combate à corrupção.

Voltar

Disclaimer: todas as informações aqui publicadas tratam-se de transcrições e/ou simples reproduções, devidamente contextualizadas, de manifestações públicas dos principais candidatos à Presidência da República, divulgadas e identificadas por meio dos veículos de comunicação disponíveis (jornais, revistas, televisão, portais de notícias etc), nos mais diversos formatos (impressos, vídeos, digitais, eletrônicos etc), acompanhados sempre do link e/ou citação da respectiva fonte. As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade dos seus respectivos autores, não exprimindo, necessariamente, a opinião da INTERFARMA.

Abbot
Abbvie
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon