14/08/2018

Saúde é tema praticamente ignorado em primeiro debate presidencial, diz colunista

Cláudia Collucci, jornalista especializada em saúde e colunista da Folha de S.Paulo, criticou a falta de debate sobre saúde entre os presidenciáveis. Veja reportagem abaixo:

O que mais precisa piorar para o país estancar a hemorragia na saúde pública?

Cresce o número de indicadores negativos, como as taxas de mortalidade infantil e materna

Folha de S.Paulo | Cláudia Collucci

Os indicadores negativos de saúde no Brasil vão se somando. É o aumento nas taxas de mortalidade infantil, de desnutrição crônica e demortes maternas, é a queda histórica na cobertura vacinal de crianças e a volta de doenças já controladas, como o sarampo, e por aí vai.

Do ponto de vista científico, também se avolumam artigos sobre o impacto na saúde da crise econômica e das medidas de austeridade.

Na edição de julho da revista BMJ Saúde Global há uma análise que alerta para o risco de reversão das conquistas obtidas pelo SUS e a ampliação das desigualdades de saúde no Brasil, prejudicando a cobertura universal em saúde e agravando a pobreza.

O cenário, segundo os pesquisadores, foi agravado pela Emenda Constitucional n. 95, que congela os investimentos em saúde e educação por 20 anos, a partir de 2018.

Para eles, é improvável que os progressos alcançados na saúde nas últimas duas décadas sejam sustentados devido ao subfinanciamento, às medidas de austeridade e à alocação ineficiente de recursos. 

A análise considera o contexto que possibilitou a expansão do SUS a partir de 2000, as crises econômicas e políticas que se iniciaram em 2014, as políticas de austeridade fiscal e o impacto de choques externos e internos no SUS, como aumento da pobreza, desemprego e redução de medidas de proteção social.

Além da revisão de literatura, os pesquisadores analisaram políticas e dados secundários de fontes do governo do Brasil para examinar mudanças no financiamento da saúde, cobertura de serviços de saúde e recursos para a saúde, além do efeito das crises econômicas e políticas sobre o SUS e a saúde da população no Brasil.

 Os estudiosos se apoiam em evidências internacionais de que cortar investimentos em saúde pública não é sábio nem necessário e chamam atenção para o surgimento de um sistema tripartite no Brasil: um SUS financeiramente esgotado atendendo aos pobres, planos privados de “cobertura limitada” para a classe média e, para os ricos, planos de saúde de alta qualidade e alto custo.

Segundo eles, essa é uma ótima receita para uma maior segregação que servirá apenas para ampliar as desigualdades de saúde já consideráveis, prejudicar a cobertura universal de saúde e piorar a pobreza.

Estudo anterior que envolveu pesquisadores brasileiros e ingleses também projetou cenário desalentador caso persistam as medidas de austeridade: 20 mil mortes a mais de crianças até 2030.

O aumento estaria associado ao corte de verbas em programas sociais, como o Bolsa Família, que transfere renda diretamente às famílias de pobreza extrema, e o ESF (Estratégia de Saúde da Família). O primeiro beneficia 21% da população brasileira, e o segundo, 65%.

Outra ótima referência é o livro "A economia desumana: por que mata a austeridade", originalmente publicado em 2013 por David Stuckler (Universidade de Oxford) e Sanjay Basu (London School), que trata dos impactos das políticas de austeridade nas condições de saúde dos países que enfrentaram algum tipo de crise.

Stuckler e Basu argumentam que há alguns princípios que devem ser considerados nas decisões a respeito da austeridade. Primeiramente, é importante que a diretriz econômica que venha a ser adotada não seja nociva à população. Segundo, de alguma forma as ações elaboradas devem ajudar a recuperar, a médio e longo prazo, o acesso a emprego e renda.

Os autores ponderam que é preciso haver investimentos em saúde pública, em especial nas ações de prevenção de agravos. E descrevem exemplos ocorridos nos últimos 40 anos, como a dificuldade mais recente da Grécia em conter epidemias e tratar doentes, quando um investimento em ações preventivas poderia ter minimizado esses efeitos prolongados.

Exceto entre os estudiosos e os profissionais da saúde, o efeito desses alertas parece ter sido nulo no Planalto. Tanto que em maio último foram anunciados novos cortes em recursos do SUS e de outros setores como forma de compensar o subsídio ao diesel. Ao todo, foram cortados R$ 179 milhões em recursos do orçamento de saúde.

O tema também foi praticamente ignorado no primeiro debate entre os candidatos à Presidência da República nas eleições de 2018, ocorrido na última quinta (9). A pergunta é: o que mais precisa piorar  para que o país busque formas de estancar essa hemorragia a que estamos assistindo na saúde pública?

Cláudia Collucci | Jornalista especializada em saúde, autora de “Quero ser mãe” e “Por que a gravidez não vem?”

Veja o texto no portal da Folha aqui

Voltar

Disclaimer: todas as informações aqui publicadas tratam-se de transcrições e/ou simples reproduções, devidamente contextualizadas, de manifestações públicas dos principais candidatos à Presidência da República, divulgadas e identificadas por meio dos veículos de comunicação disponíveis (jornais, revistas, televisão, portais de notícias etc), nos mais diversos formatos (impressos, vídeos, digitais, eletrônicos etc), acompanhados sempre do link e/ou citação da respectiva fonte. As opiniões emitidas nesta página são de responsabilidade dos seus respectivos autores, não exprimindo, necessariamente, a opinião da INTERFARMA.

Abbot
Abbvie
Actelion
Aegerion
Alexion
Allergan
Amgen
Astellas
Astra Zeneca
Bago
Bayer
Besins
Biogen Idec
Biomarin
Biominas
BMS
Boehringer Ingelheim
Celgene
Chiesi
Daiichi Sankyo
Eisai
Ferring Farmaceuticals
Galderma
Ge
Glenmark
Grunenthal
GSK
Ipsen
Janssen
LEO
Lilly
Lundbeck
MSD
Mundipharma
Novartis
Novo Nordisk
Pfizer
Pharma Praxis
PTC Therapeutics
Pierre Fabre
Roche
Sanofi Aventis
Servier
Shire
Takeda
Teva
Theraskin
UCB
Vertex Pharmaceuticals
Zambon